Beco Diagonal ― do seu jeito sempre
2 - A Marca Negra...

Emily olhou para sua mãe.
- Mãe, a gente não ia para casa? - Perguntou a menina olhando pela janela.
- Sim, querida, estamos indo.
- Mas nossa casa não é aqui... - Disse Emily confusa.
- Agora é, voltaremos para a mansão que você morou quando pequena - Disse Anne.
Emily ferveu de raiva, pois havia se lembrado que Amber contara que sua irmã estava viva, mas então viu Draco segurar a mão de Amber o que a distraiu.
- Draco, solta à mão dela...
- Por quê? - Perguntou Draco que não soltou a mão da menina.
- Por que ela é minha, anda! Solta! - Disse Emily puxando Amber.
- Eu mereço! - Disse Draco - Amber tem uma amiga ciumenta.
- Você não sabe contar, Draco - Disse Emily - São duas.
- Por que duas? - Perguntou Draco.
- Catherine... - Disse Emily bufando - Olha o tipo de namorado que sua filha escolheu, Paul.
- Vai deixar ela falar assim comigo, Amber? - Perguntou Draco.
- Vou, ué... - Disse a menina dando de ombros.
Antes que Draco e Emily pudessem se matar, o carro parou em frente à casa de Emily.
Amber desceu do carro atrás de Emily.
- Mãe, já, já eu vou para casa - Disse Amber.
- E o meu tchau? - Disse Draco.
Amber olhou para o garoto e disse:
- Vem aqui.
Draco saiu do carro puxou a garota e deu-lhe um beijo...
- Me dá licença que eu preciso vomitar - Disse Emily se virando para a entrada da casa.
Paul, Melanny, Lúcio e Narcisa arregalaram os olhos de surpresa. Lúcio sorriu e Narcisa continuou em choque junto com Melanny.
Paul ia se levantar quando Lúcio o puxou de volta para o banco, e Amber largou Draco.
A garota olhou para dentro do carro e viu que seu pai vermelho de raiva.
- Am... Bem... Tchau, Draco! - Disse a menina - E vá no banco da frente, ou se você preferir, vá à pé.
Amber passou pelo senhor e Srª. Mcnold's e entrou na casa.
- Bem, Emi, vim buscar a minha pulseira que deixei aqui antes das aulas começarem... E você sabe Catherine já está chiando com isso...
- É, mas eu não tenho certeza se ela está aqui...
- Pode deixar seus pais trouxeram tudo pra cá... Mas a sua casa dá medo, sabia? Quem mora em uma casa de VIDRO...
- A minha dá medo? E a sua? Que parece um palácio mal-assombrado, sem contar que ainda ela é um labirinto...
Amber deu de ombros e subiu junto com Emily para o quarto da amiga. Depois de Amber pegar sua pulseira, a garota foi para sua casa, pois estava exausta da viagem.
(...)
Após uma semana de férias, em uma bela manhã, Amber acordou e estava com vontade de fazer algo. Sendo assim, a mesma se trocou, desceu as escadas sorrateiramente e tomou seu café da manhã.
- Oi, mãe, você sabe se Catherine e Emily estão em suas casas?
- Não sei... ― Disse docemente Melanny mãe de Amber.
- Hm... Valeu, mãe! ― Disse Amber saindo pela porta da frente.
Após sair, Amber foi à casa de Catherine e tocou a campainha.
- Olá, a Catherine está? ― Perguntou Amber.
- Sim, Srtª Pavlinchenko, queira entrar, ela está em seus aposentos ― Respondeu Grunch o elfo doméstico de Catherine.
- Ata... Valeu! ― E assim Amber foi subindo as escadas saltitando até o quarto de Catherine.
- AHA! ACORDA MENINA PREGUIÇOSA ― Disse Amber pulando em cima de Catherine que estava dormindo.
- Hm, deixe-me dormir, insolente... - Resmungou Catherine.
- Deixo não, vamos! ― Amber saiu de cima da mesma e abriu a imensa cortina que cobria uma janela que dava em uma varanda com uma linda vista de Les Demoiselles d'Avignon Hollow. Ao fazer isto, o sol iluminou o quarto inteiro e a menina viu-se em um quarto muito elegante, parecia que Catherine pertencia a uma família real, eram móveis antigos de muita raridade e caros, uma imensa cama que era coberta com um vél branco um lustre gigantesco de cristais, cuja sua forma era meio interessante, pois pareciam flores penduradas. Nas paredes tinha alguns detalhes de gesso e pequenos desenhos feitos de ouro, e lá se encontrava quadros de grandes pintores. O chão era todo de carpete branco.
Aquele quarto poderia ser o sonho de qualquer garota fresca como Catherine.
- CREDO! Que quarto de véio... ― Disse Amber surpresa.
- Você tem que falar isto sempre que vem aos meus aposentos? E caramba, Amber, odeio luz... - Disse Catherine se cobrindo com o edredom, mas Amber o puxou.
- Nada disso, levante-se, pois quero fazer uma coisa, vai vamos!
- Fazer o que né? Você já atrapalhou minha noite serena...
- NOITE SERENA? Catherine, são 10h da manhã... ― Disse Amber perplexa.
- Ah! Que seja! ― E assim foi Catherine se arrumar, e tomar café logo em seguida.
Depois disso, Amber e Catherine foram à casa de Emily.
- Bom dia, Emily está? ― Perguntou Amber simpaticamente enquanto Catherine estava de cara amarrada, pois odiava que a acordassem ainda mais digamos que para ela seria cedo.
- Sim, podem entrar senhoritas ― Respondeu Blick, o elfo doméstico de Emily.
- Obrigado, Blick! ― Respondeu Amber entrando na casa de Emily saltitando.
- Qual é, Amber? Ele é um elfo! Não precisa ser simpática. ― Respondeu Catherine entrando logo atrás de Amber com os braços cruzados.
- Catherine... Você adora o Grunch... ― Disse Amber cinicamente.
- Mas Grunch não é um elfo, ele só parece um... ― Respondeu Catherine baixinho.
- Não, ele é um dragão amaldiçoado! ― Respondeu Amber ironicamente abrindo a porta do quarto de Emily.
O quarto de Emily era grande, com uma enorme cama no meio, que por sua vez era branca e roxa. Havia uma estante de vidro que cercava a maior parte da parede do lado esquerdo do quarto, carregada de livros, um tapete de tigre branco cobria o chão. Em uma Cômoda na frente da cama via-se uma foto de Emily e Starla e em uma das prateleiras que havia no quarto tinha uma foto de Emily, Amber e Catherine.
- EMILY? ― Disse Amber perplexa ao ver Emily sentada no chão em volta de uma pilha de livros e inclusive lendo um.
- Nossa! Pelo visto única vagal aqui é aquela que vós falam... ― Disse Catherine.
- Ah! Oi gente... O que vocês estão fazendo aqui? ― Disse Emily simpaticamente.
- Hoje quero cozinhar!
- COZINHAR? ― Perguntaram Catherine e Emily perplexa.
― Adoro cozinhar! ― Disse Emily.
- Pois eu adoro que cozinhem para mim! ― Disse Catherine.
- Então vamos! ― Disse Amber indo para a sua casa.
E chegando lá...
- Pera! Vamos entrar pelos fundos. ― Disse Amber.
- Por quê? ― Perguntou Emily.
- Mamãe me proibiu de ir à cozinha...
- Mas por quê? ― Tornou a dizer Emily.
- Você verá. ― Disse Catherine cinicamente.
- Ok, então... ― E assim foram as três pelos fundos.
- Pronto! Já que estamos aqui, Catherine pegue a farinha lá em cima e Emily pegue os ovos naquele negócio preto ali. ― Disse Amber apontando para a geladeira.

Na sala...

- Querido... Você viu Amber?
- Ah! Sim, querida, aliás, acho que você deveria falar com ela, pois quando eu abri as janelas a vi entrando pelos fundos da casa com Catherine e Emily, o que é estranho... Acho que isso é frutos da relação dela com os Weasley's.
- VOCÊ VIU O QUE? ― Perguntou Melanny perplexa. ― NÃO ACREDITO! AMBER N... ― Tornou a dizer Melanny indo para a cozinha, mas era tarde demais, pois nesse momento houve um estouro enorme.
- Ops! ― Disse Amber. ― Vamos tentar de novo!
- NÃO, AMBER! Eu não a proibi de vir para a cozinha? Você já explodiu o terceiro fogão essa semana.
- Mas Mamãe... ― Disse Amber com a cara cheia de farinha.
- Sem mais nem menos, mocinha! Some daqui! Anda! ― Disse Melanny dando uns tapinhas na bunda de Amber.
- Ah... Já sei! Vamos à casa da Emily! - Disse Amber excitada.
- Na minha CASA? Por que na minha? Vai na de Catherine. ― Respondeu Emily perplexa.
- Ela já explodiu o meu semana passada! ― Disse Catherine.
- Ah vamos, Emi, pare de frescura, você é rica! ― Disse Amber insistentemente.
- É mesmo, não gosto do fogão de casa... Então vamos. ― Disse Emily com um sorriso em seu rosto.
E assim foram as três na casa de Emily, e lá, acabou acontecendo à mesma coisa que havia acontecido na de Amber.
- Ah droga! Por que só acontece comigo... E agora? O que vamos fazer? ― Disse Amber evidentemente triste.
Nesse momento o pai de Emily entrou na cozinha, com as magas da blusa arregaçada, deixando à vista uma estranha tatuagem...
- Nossa que legal... É a marca negra ― Disse Amber e Catherine em cima do braço do pai de Emily.
- Não, não, isso aqui não é nada. ― Disse Tom escondendo a marca.
- É sim, papai, eu já vi em um livro. ― Disse Emily sorrindo.
- Meninas, por que não vão fazer compras? Tomem ― Disse Tom dando uma grande quantia de galeões para cada uma.
- EBAAA! GRANAAA! VOU GASTAR TUDINHO... ― Disse Catherine excitada.
- Mas você fez compras ontem... ― Disse Emily perplexa.
- Ah, mas ontem eu gastei além da conta, quase comprei o beco inteiro, e mamãe me castigou, disse que eu tenho que maneirar se eu quiser cuidar do dinheiro da família.
- Sua mãe não seria louca de deixar você cuidar do dinheiro da família, pois você ia conseguir levar a família Perucci a falência em 3 segundos, se é que isso é possível. ― Disse Emily
- Se tratando dela, isso é CALARAMENTE POSSÍVEL ― Disse Amber com ênfase. ― Mas mudando de assunto... O tio Voldy é legal? ― Perguntou Amber com um enorme sorriso no rosto.
- Por que vocês não vão logo às compras antes que eu mude de Ideia?
- Não, não, que isso, já estamos indo, vamos Amber ― Disse Catherine puxando Emily e Amber.
- Mas queremos saber sobre o Tio Voldy... - Choramingaram Emily e Amber.
- Leiam o livro "Hogwarts uma História" provavelmente fala dele, ou melhor, pergunte a Harry, afinal, ele o deixou com um racho na testa! ― Disse Catherine saindo da casa de Emily.
Comentários
Faça login para comentar

956 visualizações desde 31/12/1969