Beco Diagonal ― do seu jeito sempre
4 - O Encontro inesperado.

Depois que Draco e as meninas subiram, Emily virou-se para entrar em uma porta.
- Mas onde você está indo? - Perguntou Amber.
- Para o seu quarto - Disse Emily.
- Mas... Meu quarto não é ai - Disse Amber.
- Não? - Perguntou Emily.
- Bom... Como seus pais não queriam que você descobrisse que era bruxa, eu fingi que ai era meu quarto porque meu quarto é meio... Você vai ver - Dizendo isso Amber, começou a caminhar até o fim do corredor e entrou na última porta a direita.
As meninas e Draco entraram em um aposento enorme com paredes pretas. Em uma das paredes, havia um enorme espelho que a cobria por completo, e em um canto via-se algo que se parecia com uma fonte. Ao centro do quarto, havia uma enorme cama de madeira negra, com detalhes pratas de cobras desenhadas. A roupa de cama da menina era preta com detalhes em prata, e as "cortinas" do dossel, que estavam soltas, eram verdes com detalhes também em prata. A mais ou menos um metro da porta de entrada, via-se uma estante de livros encostada na parede. Nas janelas havia uma enorme cortina prata com pequenos detalhes em preto. Em um canto havia uma penteadeira preta com detalhes pratas e cobras entalhadas na madeira, e ao lado da penteadeira havia um vidro com uma enorme e linda cobrar verde esmeralda.
Amber sorria para os amigos.
- Por que é que você tem uma fonte em seu quarto? - Perguntou Emily.
- Ah! Isso é uma penseira - Disse Amber.
- Hum...
- Catherine... Agora que percebi... Por que você está morena? E com o cabelo nos ombros? - Perguntou Amber um pouco surpresa.
- É verdade, agora que eu percebi também... - Disse Emily.
- Ah... Isso? É que eu cansei de as pessoas acharem que somos irmãs... - Respondeu Catherine dando de ombros.
- Agora que você disse, vocês realmente se parecem... - Disse Draco. Emily as olhou.
- Ele está certo...
- Mas o que é aquilo vermelho na cama? E... Está se mexendo? - Perguntou Draco.
- Ah! Ruby... - Disse Amber e a Fênix voou a seu encontro - Viu...
- Ela tem uma fênix no quarto... - Murmurou Emily - Que estranho...
- Dumbledore tem uma na sala dele... E é macho - Disse Amber.
- Não sei quem é pior... - Disse Emily.
- E você e seus cachorros, Lúcifer e Satanas...
- Você tem um cachorro chamado Lúcifer? - Perguntou Draco - Que pessoa normal coloca o nome de um cachorro de Lúcifer?
- Eu coloco!
- Não, você não é normal - Disse o menino.
- Eu sou perfeitamente normal, você é que não é normal...
- E porque eu não sou normal?
- Porque você...
- Quem não é normal aqui sou eu - Disse Amber interrompendo os dois - Porque sou amiga de você... E namorada de você... Ruby! - A ave voou em direção a Draco que se abaixou com medo.
- VIU COMO VOCÊ NÃO É NORMAL? - Gritou Emily.
- PELO MENOS NÃO TENHO MEDO DE HAGRID! ― Gritou Draco.
- JÁ CHEGA! - Gritou Amber para os dois - Pelas barbas de Merlin! Vocês não param, não?
- NÃO!É ELE(A) QUE FICA ME PROVOCANDO - Disseram os dois.
- Bem, CHEGA VOCÊS DOIS! Estou ficando com dor de cabeça... Vamos, Emi, vamos fazer pipoca... Só que você faz.
- É, sempre sobra pra coitada da Emi... - Disse Emily.
- Ah! Emi, não seja dramática... Aliás, onde está Catherine?
- Não sei, depois ela aparece... Vamos fazer pipoca! Ah... Fique aí, loiro de farmácia... Hmpf!
E assim as duas desceram e foram para a cozinha e lá...
- Ops! ― Disse Catherine perto da geladeira de Amber com a boca cheia de pudim.
- Pelas barbas de Merlin! ― Disse Amber.
- Que é?
- Nada... Só a leve sensação que eu não sou normal por ter amigos anormais... ― Disse Amber.
- Bem, vamos fazer a pipoca então... ― Disse Emily com autoridade.
Sendo assim, Emily fez a pipoca, e em seguida iam para o quarto de Amber, mas ao chegarem ao hall de entrada viram um homem alto, magro, branco, com o rosto imberbe e ofídico, com fendas estreitas no lugar das narinas, olhos vermelhos e brilhantes de pupilas verticais "É o Tio Voldy" Pensou Amber.
O homem estava acompanhado de pessoas de vestes pretas.
- Creio que esta senhorita seja a pequena Pavlinchenko... ― Disse Voldemort olhando para Amber.
- Correto, Mi Lord, deixe-me cuidar deste problema... Meninas, nos dê licença, por favor ― Disse Melanny.
- Não, as deixem ficar, quero conhecê-las ― Disse Voldemort indo em direção a Amber.
- Sim, Mi Lord...
- É, você realmente se parece com sua mãe... ― Disse Voldemort pegando no queixo de Amber, enquanto a mesma olhou sua mãe e ficou com uma expressão de "Hã?"- Suponho que essas garotas que lhe acompanham sejam a senhorita Perucci e a Mcnold's - Disse Voldemort indo dessa vez para o lado de Catherine. - É um tanto interessante o quanto suas expressões lembram as de Amber, poderia julgá-las até irmãs... Apesar de serem muito diferentes, seus traços são muito parecidos - Disse Voldemort com ênfase. E por último o mesmo se aproximou de Emily... ― Bem, lamento pelo o que seus pais fizeram, creio que foi um tanto aborrecedor ficar em uma escola de trouxas durante um tempo... Enfim, foi um prazer conhecê-las, senhoritas.
- O prazer foi nosso, senhor... ―Disse Catherine com o rosto abaixado.
- Bem, podem subir agora... - Disse Melanny.
- Sim, mãe ― Respondeu Amber que acabara de avistar Nagine e quando ia abrir a boca...
- Amber, suba!
E assim Amber revirou os olhos e obedeceu.
- Ele é meio esclerosado né? - Disse Amber já em seu quarto.
- É mesmo... ― Concordou Emily ― Não é, Catherine?
- Tanto faz... ― Respondeu Catherine com uma voz de desprezo ― Vou dormir...
- Mas já? A gente ia fazer guerra de travesseiro hoje ― Disse Emily.
- Você não gostou de ter encontrado ele, né? ― Perguntou Amber.
- De quem vocês estão falando? ― Interrompeu Draco.
- De ninguém do seu interesse! ― Disse Emily.
- Emily não começa. ― Respondeu Amber.
- Ah, está conversa não é de meu interesse, estou muito exausta para este assunto aborrecedor, então, boa noite á todos... - Disse Catherine.
- Xiii tá de TPM ― Zombou Draco- Aí! Cê é louca? ― Continuou o mesmo após receber um soco de Emily.
- Deixe-a em paz, você mal sabe o que significa isso, seu loiro de farmácia...
Amber olhou para os dois e simplesmente revirou os olhos, pois a mesma sabia que aqueles dois ali não tinham jeito.
- Draco, seus pais estão te esperando para ir embora.
- Sim, Srª Pavlinchenko.
- Ah, fale para eles que eu agradeci - Intrometeu-se Emily.
- Agradeceu o que? ― Perguntou Draco.
- De eles terem que te levar embora... ― Respondeu Emily.
- Isso não ficará assim, Mcnold's ― Disse Draco a encarando ― Obrigado, Srª Pavlinchenko e boa noite.
- De nada, Draco, irei levá-lo até a porta, querido, a propósito, não durmam, pois quero falar com as três.
Alguns minutos depois, Melanny subiu as escadas junto com Paul e os pais de Emily.
- Meninas, chegamos à conclusão de que será melhor vocês ficarem na Sede da Ordem por um tempo, pois não será prudente vocês ficarem em casa durante as férias... ― Disse Melanny com exatidão.
- Por que, mãe?
- Sem perguntas, e vamos dormir que já está tarde.
- Por causa de Voldemort, não é mesmo? ― Perguntou Catherine.
- Er... Hm... Bem... Vocês irão depois de amanhã, boa noite meninas.
- ÓTIMO! Acharam um jeito de se livrarem de mim... ― Disse Amber após seus pais e os de Emily terem saído do quarto.
Comentários
Faça login para comentar

1027 visualizações desde 31/12/1969