Beco Diagonal ― do seu jeito sempre
6 - Implicância.

Na manhã seguinte, Amber acordou cedo, pois sua mãe a havia acordado.
- Aii... Vai dormir mãe... De madrugada não são horas de acordar os outros - Disse Amber esfregando os olhos, mas sua mãe pegou a varinha e começou a arrumar suas coisas em um malão.
- Amber, levante-se e se arrume que daqui a pouco Emily e Catherine vão estar aqui. Esqueceu que vocês vão para a sede da ordem? - Disse Melanny.
- Catherine acordando uma hora dessas? Eu duvido muito! Vamos nos atrasar por causa dela, quer apostar? - Disse a garota levantando-se.
Depois de se trocar, a menina tomou café da manhã e foi para a sala.
- Mãe, quem vai estar lá? - Perguntou Amber.
- Os membros da ordem, os filhos dos Weasley's, Potter e a tal da sangue-ruim amiga de Potter, mas Potter ainda não chegou... Os membros da ordem iram buscar ele mais para frente - Disse sua mãe - O que é isso? Você não penteou seus cabelos? - E assim Melanny pegou uma escova e começou a pentear os cabelos de Amber.
- Mãe! Para com isso!
- Não vou deixar minha filha sair de casa toda descabelada!
- Melanny querida, os Mcnold's e os Perucci chegaram - Disse Paul entrando na sala.
- Bom, vamos querida? - Disse Melanny olhando para Amber.
A garota apenas assentiu entediada.
- O que é isso? Mostre mais entusiasmo
- Eeee... - Disse ela sem ânimo algum.
- Engraçadinha - Disse seu pai bagunçando os cabelos de Amber que sorriu para o pai
- Paul! - Disse Melanny - Não bagunce o cabelo dela! - E dizendo isso Melanny pegou sua escova e começou a arrumar os cabelos da mesma.
- Mãe! Chega...
- Amb! Bom dia - Disse Emily.
- Bom dia? Não é dia, está ainda de madrugada, isso não é hora de uma pessoa normal acordar... Ai que raiva! Nem dormir em paz eu posso! - Reclamou Catherine emburrada.
- Oi... E oi para você também, senhorita irritadinha - Disse Amber olhando para Catherine que estava com cara amarrada.
Alguns minutos depois, todos saíram da casa dos Pavlichenko's e foram para um carro que os aguardavam do lado de fora.
- Por que o Draco não veio? - Perguntou Emily.
- E por que é que você quer que ele venha? - Perguntou Amber confusa.
- Eu não quero que ele venha, eu só quero saber por que ele não veio...
- Hum... Sei... Bom, Draco não veio por que ele é um Malfoy - Respondeu Amber dando de ombros.
- I dai que ele é um Malfoy? - Perguntou Emily.
- Ninguém da Ordem gosta dos Malfoy's - Respondeu Amber como se aquilo fosse a coisa mais obvia do mundo.
E assim todos entraram no carro e foram para a sede da ordem.
A viagem foi tranquila, Catherine dormiu no carro e só foi acordada quando todos chegaram ao local. Ao chegarem, Melanny entregou um papel a Amber.
- Leia e decore, depois passe para Emily e Emily passe para Catherine - Disse a mulher para às garotas.
Amber assentiu e leu o papel onde estava escrito:
"A sede da fênix encontra-se no largo Grimmauld, Número doze, Londres".
E então Catherine devolveu o papel a Melanny que o queimou.
- Agora pense no que vocês acabaram de ler.
E então o numero doze se materializou entre os números onze e treze, era como se a casa estivesse se inflando empurrando as duas casas para os lados.
As garotas sorriram.
- Entrem rápido - Disse Tom, e as meninas obedeceram - E... É melhor não tocarem em nada...
As garotas entraram no hall da casa e logo sentiram o cheiro adocicado de decomposição, poeira e umidade.
- Mãe, eu quero ir embora - Cochichou Catherine para sua mãe e Amber a ouviu.
- Eu também... - Disse a garota.
- Ah! Que bom que vocês conseguiram chegar a tempo! - Disse a Srª Weasley sorrindo para todos.
Elizabeth mãe de Catherine, empurrou a sua filha para trás tomando uma certa distância entre a senhora Weasley.
- Oi... ― Respondeu Elizabeth secamente.
- Olá, Molly - Disse os pais de Amber e Emily.
- Oi... - Disse as três juntas.
- Olá, queridas - Disse Molly para as três ― Vamos, estão todos as esperando.
- Catherine, faça o possível para não se misturar aos traidores de sangue e sangues ruins, minha filha - Cochichou Elizabeth, dando um beijo na testa de Catherine.
- Está bem, mãe... - E dizendo isso todos a seguiram para a cozinha que estava cheia de pessoas que as garotas nunca viram na vida.
Amber começou a olhar cada um que estava presente no recinto, mas seu olhar parou em Sirius. A garota o ficou encarando e ele fez o mesmo, então Amber se deu conta que Emily também estava encarando alguém e olhou para o mesmo lugar que a amiga e lá estavam Snape e Dumbledore.
- Finalmente chegaram - Disse Dumbledore sorrindo - Podem deixar eu falar com Amber e Severus a sós? - Perguntou o diretor.
Amber levou um susto e começou a pensar "O que ele quer comigo? O que eu fiz? Ou... Julietta..." Enquanto Amber se fazia essas perguntas mentalmente, todos se retiraram da cozinha.
Dumbledore fitou a menina.
- A senhorita naturalmente sabe o que eu quero conversar com você, não é mesmo? - Perguntou Dumbledore ainda a fitando. Amber olhou para Snape e logo depois olhou novamente para o diretor com uma expressão intrigada ― Sabe, Amber, não estou aqui para julgá-la, muito menos para apoiá-la, o que houve com Julietta foi algo que estava fora de seu controle e sei muito bem - O diretor olhou para Snape e depois olhou de volta para a garota.
- Pensei que esse assunto já estava encerrado- Disse Amber.
- Sim, e está! Por hora... Bem, preciso fazer uma pergunta a você... Amber, você teme a morte? - Amber ficou surpresa, "porque que esse velho está me perguntando isso?" pensava ela, mas de fato ela nunca havia pensando nisso a garota não sabia o que responder.
- Porque quer saber isso? ― Perguntou ela erguendo a sobrancelha.
- Porque com uma simples pergunta, podemos descobrir várias coisas sobre o caráter de alguém.
- Bem, Já que é assim... ― Disse Amber sem entender onde o diretor estava querendo chegar - Eu não sei... Acho que não... Quero dizer... Quando eu tiver que morrer eu irei morrer... Não é algo que eu possa controlar... - Disse ela confusa.
Dumbledore ficou quieto por um momento encarando a garota através de seus oclinhos de meia lua e por fim disse:
- Está bem... Severus, mande Catherine e Emily entrarem - Disse o diretor. Amber ia se levantando - Srª Pavlichenko, fique, quero conversar com você também - E sem responder a garota o obedeceu.
Quando Catherine e Emily entraram estavam tão surpresas quanto Amber.
Dumbledore as olhou:
- Eu soube que Voldemort demonstrou certo interesse pelas três... - Disse o diretor as fitando - Não quero pressioná-las, mas preciso saber de que lado está à lealdade de vocês? - As garota se assustaram com a pergunta do diretor, mas Amber e Emily sabiam que não tinham uma resposta concreta para tal pergunta e então Catherine disse:
- Estarei do lado mais justo...
- E ao seu critério, qual é o lado mais justo? ― Perguntou Dumbledore a encarando.
- Aquele que não mancha de sangue inocente o próprio nome... - Dumbledore a olhou surpreso com sua resposta.
- Bem, e as duas? ― Perguntou Dumbledore se referindo à Amber e Emily.
As duas se entreolharam e Amber disse:
- Nós... Er... Am... Bom... Não quero mentir para você, mas nós... Realmente não sabemos...
Dumbledore respirou fundo, encarou as meninas e por fim disse:
- Como disse, não quero pressiona-las, mas vocês precisam rever de que lado está à lealdade de vocês, pensem bem no assunto e fiquem do lado que vocês acharem melhor, não irei mentir, mas seria uma grande perda se nós as perdemos para Voldemort, contudo a escolha é de vocês, pensem bem pensem muito bem antes de tomar qualquer decisão, eu já disse tudo que queria dizer a vocês agora podem ir.
- Já sei a resposta! Ficaremos do lado de quem ganhar ― Disse Amber obviamente brincando e sorrindo.
Snape e Emily abafaram um riso e por fim Dumbledore sorriu.
- Então é melhor que fique do nosso lado ― Disse ele voltando a ficar sério.
- Eu já me decidi... Não ficarei de um lado onde haja um homem que trate meus pais e meus amigos como bem entender ― Disse Amber séria ― Mas também não posso mostrar minha posição para ninguém, pois assim estaria pedindo pela morte.
- Que bom que tomou uma escolha sábia, Am... ― Disse Catherine com a voz aliviada... - Agora eu espero o mesmo de Emi. - Continuou Catherine enquanto Dumbledore sorria para Amber.
- Concordo com Amber, se vamos ficar do lado de Potter não podemos mostrar que estamos ― Disse Emily sorrindo para a amiga ― E sem contar que eu nunca ficaria contra Amber e Catherine ― Após terminar Dumbledore abriu outro sorriso.
- Pois bem, podem ir ― Disse ele.
As três saíram sem dizer absolutamente nada. Ao saírem da cozinha, Amber deu de cara com Sirius.
- Ninguém merece... - Disse ela olhando para o mesmo com nojo.
- Acha que estou feliz com a sua presença aqui?
- Pois deveria, isso é uma honra para você! - Disse ela cinicamente.
- Acha que me sinto honrado por ter uma piveta mimada como você em minha casa?
- Black... Como ousa? - Disse Amber vermelha de raiva.
- O que? Só disse a verdade... Essa casa está cheia de crianças... - Disse ele a fitando.
- É né... Você é uma delas, ser criança não depende só da idade.
- O que? Olha o respeito... Sua... Sua...
- Sua o que? Por que teria respeito por você? Volte para a sua jaula...
- Amber! Já chega - Disse Emily puxando Amber dali antes que ela e Sirius se matassem, enquanto Catherine murmurava "Emily como você é estraga prazeres! Eu queria ver o cerco pegar fogo".
- Ai, menina mal-educada! - Murmurou Sirius.
Comentários
Faça login para comentar

908 visualizações desde 31/12/1969