Beco Diagonal ― do seu jeito sempre
8 - Vinho...

Após algumas semanas na sede da Ordem, as garotas estavam no quarto conversando.
- Que tédio! - Disse Catherine.
- Já sei! Tive uma ideia! - Disse Amber entusiasmada.
- AH NÃO! - Exclamaram Emily e Catherine.
- Ah não, o que? - Perguntou Amber irritada.
- Amber, não irão deixar você cozinhar... - Disse Catherine.
- Er... Bem... Não é isso...
- Muito menos passar roupa - Disse Emily.
- Roupa se passa? - Perguntou Amber erguendo a sobrancelha.
- Ah! Esquece... - Disse Emily dando de ombros.
- Então... Vamos dar uma volta no mundo trouxa, Emily podia ser nossa guia - Sugeriu Amber.
- O que? Vocês duas no mundo trouxa? - Emily riu alto.
- Essa ideia me parece divertida - Disse Catherine.
- Você está bem? - Perguntou Emily.
- Sim, estou perfeitamente bem - Respondeu Catherine.
- Então? Vamos? - Perguntou Amber.
- Como vamos sair deste lugar imundo? Quero dizer... Não vão nos deixar sair... - Disse Catherine.
- Com a minha capa da invisibilidade, eu vou com a Emily lá para fora, depois eu volto e te busco - Disse Amber.
- Está bem... - Disse Catherine.
- Mas... Esperem ai... Vocês vão assim? - Perguntou Emily.
- Assim como? - Perguntou Amber franzindo a sobrancelha.
- As roupas... - Explicou Emily.
- Emily, caso você não tenha percebido, não temos roupas de trouxas... Então... Sim, nós vamos assim... - Disse Amber pegando sua capa.
- Então tá! - Disse Emily.
- Então vamos - Disse Amber cobrindo Emily com a capa.
Alguns minutos depois, Amber voltou para buscar Catherine, Amber cobriu a amiga com a capa e desceu as escadas com a ela, e então as duas viram Sirius conversando com Margaret...
- Como eu odeio ela - Cochichou Amber para Catherine.
- Por quê?
- Porque eu odeio ela...
- Eu também... Mestiça imunda! - Disse Catherine para a amiga.
-Sirius - Falou a Srª Weasley descendo as escadas.
- Que? - Perguntou ele virando-se de má vontade para Molly.
- Você viu as meninas? Já procurei elas pela casa inteira e nenhum sinal das três... Estou ficando preocupada...
- Provavelmente as três devem estar aprontando algo - Disse Margaret se intrometendo... ― Molly, eu ajudo você a procurar por elas, eu sei muitos possíveis esconderijos... Sabe, quando eu era criança também gostava de me esconder.
Amber ferveu de raiva "Quem ela está chamando de criança?" Pensou a garota furiosa, mas Catherine segurou a mão da amiga e sussurrou:
- Vamos...
Amber, Catherine e Emily andaram por algum tempo e como esperado todos estavam olhando para as roupas estranhas de Amber e Catherine.
As ruas estavam todas molhadas, pois antes das garotas saírem da Sede, havia chovido, e justo nesse exato momento, quando as meninas iriam atravessar, um carro passou e as molhou.
- Mas que P... - Disse Amber, mas não conseguiu completar, pois Emily tapou sua boca.
- Que ser esc... - Emily tampou com a outra mão a boca de Catherine.
- Parem... ― Disse Emily tampando a boca das duas.
- Você só diz isso porque não se molhou. - Disse Amber fazendo bico. ― A sorte é que eu conheço um feitiço pra me secar...
- Não! Amber, aqui nós não podemos chamar atenção de trouxas... Isso significa que não podemos usar a varinha!
- Hmpf! Que lugar patético! - Exclamou Catherine - E vamos ficar molhadas? Emily, eu não ligaria se não estivesse de BLUSA BRANCA!!! ― Continuou Catherine com ênfase.
- Cah, você ligaria sim... ― Disse Amber.
- Que seja! Eu não quero ficar molhada! ― Reclamou Catherine.
- Ok, ok, Vamos para uma loja fazer compras... ― Disse Emily entediada.
- COMPRAS? Eu não farei compras... No... Mundo... Trouxa... ― Disse Catherine com grande incerteza.
- Ah... Sim, você fará sim, Catherine. ― Disse Amber.
- Você não perde uma oportunidade de gastar dinheiro. ― Disse Emily.
- Não me importo, não farei compras nesse mundo imundo! ― Insistiu Catherine.
- Bem, então fique molhada ― Disse Amber pegando na mão de Emily e atravessando a rua.
Catherine vendo aquilo resolveu segui-las para não ficar sozinha.
- Está bem, eu vou... Mas não pensem que é porque eu quero ver como são as roupas do mundo trouxa e porque eu gostei daquele vestido ali...
- Tá, tá, Catherine, vamos. ―Disse Amber entrando na loja - Uau que linda essa saia! ― Disse Amber ao entrar na loja.
- Menina, saia já daí! Essa Loja não é para pessoas como vocês, estão sujando o carpete ― Disse a vendedora rispidamente.
- Com licença, mas você está aqui há quanto tempo? ― Intrometeu-se Emily.
- Á dois meses, mas creio que essa informação não interesse a pessoas como vocês, eu conheço muito bem desse tipo...
- B...
- Emily! Há quanto tempo! O que faz aqui? Veio visitar os negócios de seu pai? Vejo que trouxe até a Pavlinchenko, e quem é a adorável garota que está com você? ― Perguntou o gerente da loja.
Nesse momento a vendedora ficou pálida ao ver aquela cena.
- Ah, aquela é a senhorita Perucci...
- Nossa até uma Perucci está aqui? Que honra! Aliás, muita honra em um dia só, uma Perucci e uma Pavlinchenko.
- Eu sei... ― Disse Catherine.
- Ah, esqueci de mencionar, Catherine não tem nada de adorável, então me desculpe por ela. ― Disse Emily.
- Emy, eu ouvi isso... ― Disse Catherine com uma estreitando os olhos.
- Ops!
- Bem, senhoritas, irei trazer-lhes um champagne sem álcool, não demorarei, com licença.
- Toda Barto. ― Disse Emily, e assim o gerente saiu daquele local, e Emily não perdeu a oportunidade e continuou o que iria falar para a vendedora - Bem, continuando, espero que guarde bem esse emprego se não quiser que eu a despeça, até mesmo porque papai me deu autoridade pra isso, como você pode ver. E a propósito, limpe o carpete.
- Sim, senhora.
- Aqui está, eu trouxe vinho, pois acabou o champagne, espero que não tenha problemas com isso, tem pouco teor de álcool.- Disse Barto.
- Perfeito ― Sussurrou Amber que já estava á um tempo olhando a vendedora com um olhar diabólico.
Mesmo sem saber o que era vinho, viu que a cor era um vermelho intenso e logo teve a ideia de derramar propositalmente o líquido no carpete branco da loja, para se vingar da vendedora.
- Ops, caiu... Você pode limpar isso aqui também depois de terminar aí, espero que não haja problemas. ― Disse Amber com um sorriso cínico.
- Sim, senhorita, com todo prazer. ―Respondeu a vendedora, com pensamentos irritados, mas sabendo disfarçá-los bem.
- Emily, eu quero aquela saia, aquela blusa e aquele tênis.
- Amber, pra que você quer um tênis, e ainda o mais caro da loja? Você só molhou as roupas. ― Disse Emily.
- Porque eu gostei. Ele tem um diamante, eu conheço de longe!
- Está bem!
E assim as três compraram as roupas, Amber estava com uma saia xadrez preta e vermelha de tule preto por baixo e suspensório, uma regata preta e um all star vermelho com um pequeno diamante na língua.
Catherine por sua vez, estava com uma saia curta drapeada cinza claro, uma blusa de manga branca e um sapato preto de salto estilo boneca e Emily vestia uma blusa regata preta, uma saia também preta e uma sapatilha bem confortável na cor Pink.

-Emily, olha que eu comprei! ― Disse Amber mostrando um Iphone pra ela.
- Meu... Deus... ― Disse Emily, perplexa ― Por acaso você sabe mexer nisso? - Continuou Emily.
- A vendedora me ensinou, aliás, quem é Deus?
- É o Merlin do mundo trouxa... E menos mal que ela a ensinou a mexer.
- Ah! Eu comprei um pra Catherine.
- E por que ainda não deu?
- Por quê? Digamos que eu farei uma surpresinha- Disse Amber com uma risada maléfica e uma expressão diabólica.
-Aliás, Cadê Catherine?
- Ela sempre some, vou ir atrás ― Disse Amber se virando de costas, percebendo que Catherine estava atrás delas mantendo distância.
A menina estava bebendo a garrafa de vinho que havia pegado da loja de Emily.
- Ah! Você tá ai... O que você tá bebendo? - Perguntou Amber pegando a garrafa da mão dela.
- Vinho da loja da Emily, e me dê, pois eu não lhe ofereci. ― Respondeu Catherine.
- Ah... Não! ― Disse Amber virando a garrafa.
- Mas... O que? Você me roubou? ― Perguntou Emily.
- Tecnicamente eu não lhe furtei, eu furtei a loja, mas como Merlin nos permitiu ser ricas, eu apenas peguei emprestado... Quer que eu pague? ― Perguntou Catherine tirando um cartão de crédito do sutiã.
- Deixa quieto... Aliás, porque você tem um cartão de crédito trouxa?
- Minha mãe fez um para mim, já que eu rasgava o dinheiro trouxa com facilidade.
- Hmm... Esse vinho tá bom ― Intrometeu-se Amber.
- Amber, me dê o meu vinho, já lhe disse que não lhe ofereci!!
- Iii... Aqui está ― Disse Amber dando a garrafa vazia.
- Amber! Você bebeu tudo!
- Ops!
- Ai... Pelas barbas de Merlin! Olha, fiquem aqui e não saiam, eu vou retirar dinheiro trouxa.
- Por quê? Você não tem cartão de crédito como a gente? ― Perguntou Amber.
- Tenho, mas é que certos lugares não dá pra passar o cartão.
- Ah... Então pra quê eu quero isso? Que troço inútil ― Disse Amber quase quebrando o cartão.
- Nãoo! Amber, não quebre isso, apenas fique parada aqui com Catherine, eu já volto. - Disse Emily indo ao banco no outro lado da rua.
- Tá bom. ― Disse Amber dando de ombros.
- Ei, Am, vamos comprar mais vinho? ― Disse Catherine.
- Claro! Mas a gente não sabe onde vende ― Disse Amber com desânimo.
- Ah, isso não é de grande importância, se meu palpite estiver certo eu creio que vende vinho naquela loja, vamos. - E assim as garotas foram até o mercado, e compraram muitas garrafas vinho.
- Eii, servo! Leve-os para mim. ― Disse Catherine para um funcionário da loja que não recusou o pedido, pois o garoto achou as meninas muito bonitas e tinha um certo fetiche por garotas de saia.
- Sim, senhora. ― E assim o garoto levou para fora as garrafas.
- Pronto, pode retirar-se.
- Hm... Vou beber tudo ― Disse Amber pegando 3 garrafas e indo para um beco onde ninguém podia vê-la.
- Nick, pegue essas garrafas e coloque em baixo do sofá da sede da Ordem.
- Sim, mestra.
- E certifique-se que ninguém além de mim as encontre.
- Sim, mestra ― E assim o Elfo desapareceu com as garrafas.
- Pronto, agora vamos degustar esse maravilhoso líquido ― Disse Catherine.
- Mas é claro. ― Concordou Amber após voltar do beco, e assim elas começaram a beber uma garrafa atrás da outra e em pouco tempo elas estariam bêbadas, mas Emily apareceu antes que fosse possível.
- Pelas Barbas de Merlin! O que vocês estão fazendo? ― Interrogou Emily.
- Ah! Mcnold's, o que você está fazendo por aqui? Não disse que não queria vê-la por aqui nunca mais? ― Disse uma garota que se aproximava delas.
- E por acaso você manda aqui? Feiosa. ― Perguntou Amber quase atacando a garrafa na cabeça da garota.
- Am, não dirija a palavra para uma trouxa imunda, ela é inferior a nós.
- Você me chamou do que?
- De trouxa imunda ― Disse Amber sorrindo.
- Creio que seja demais para o minúsculo cérebro de uma reles trouxa imunda. ― Disse Catherine.
- Prefiro ser trouxa do que ser uma aberração, Ah e meu nome é Isabelle Frank's.
- Frank's? Ah! Então você é o aborto? Fiquei sabendo dessa trágica história... Sinto muito. ― Disse Amber cinicamente.
- ABORTO? HAHAHAHAHAHA é pior que pensei, então essa trouxa imunda não passa de um aborto, e mal feito ainda! ―Zombou Catherine.
- Como S-sabe dessa história? ― Perguntou a menina.
- Ora, sou Amber Pavlinchenko, sei de quase tudo, e não é tão difícil de deduzir, só de olhar a sua cara, qualquer um pode perceber que você é um aborto.
- Bem, vamos indo, não quero continuar ao lado desse aborto imundo, isso pode prejudicar a minha saúde... Ah! E tenha cuidado com as suas palavras ao dirigi-las a uma sangue-puro ― Disse Catherine pegando no braço de Amber e Emily.
- Pera, o Vinho. ― Disse Amber.
- Me dá uma garrafa ― Disse Emily entornando-a.
As três foram em direção ao parque, e lá ficaram por horas bebendo até ficarem muito bêbadas.
- Iai cara, vamos embora, se não vai ferrar pra gente. ― Disse Catherine com a voz mole.
- Mas como iremos encontrar o caminho de nossa moradia? ― Perguntou Emily.
- Vamos pegar um táxi, ou podemos ligar para alguém vir buscar a gente... Ic! ― Disse Amber soluçando.
- Iiii, cara dá não, eu num entro nesse troço aí. - Continuou Catherine.
- Mas não podemos, pois só nós sabemos onde fica a sede, então isso seria totalmente inútil de se tentar. ― Afirmou Emily.
- Então vamos andando ― Sugeriu Amber.
- Aí, quero mais vinho, regula não, Emy ― Disse Catherine referindo-se a Amber cambaleando.
- Não tem mais. ― Respondeu Amber.
- Vamos então, Emy, fazer o que né? Se este é o único recurso viável. ― Disse Emily se referindo a Amber.
Comentários
Faça login para comentar

896 visualizações desde 31/12/1969