Beco Diagonal ― do seu jeito sempre
16 - A grande descoberta...

Na manhã seguinte, Amber acordou com certo ânimo, então decidiu que perdoaria Emily que havia lhe dado seu presente e pediu-lhe desculpas por ter se esquecido de seu aniversario, o mesmo fez com Catherine que coincidentemente fazia aniversário no Halloween no mesmo dia que Amber, porem Catherine era mais severa que Amber e continuou de cara emburrada para Emily até abrir seu presente e ver um lindo colar de ouro cravejado de Diamantes.
Quando Amber foi para o salão principal logo o perdeu seu ânimo ao olhar o profeta diário.
- Como assim Julietta fugiu? - Perguntou Amber perplexa.
- Amber, vários outros comensais fugiram e você só está preocupada com a fuga de Julietta? - Perguntou Rony sem pensar.
- Acontece, Ronald, que esses vários outros comensais não querem me matar! Acéfalo! - Exclamou Amber fervendo de raiva.
- Amber... Ela não ia ser louca de atacar você aqui em Hogwarts, Dumbledore está aqui - Disse Emily tentando tranquilizar a amiga.
- Eu sei... Também não seria muito inteligente da parte dela, afinal, eu tenho Lilith para me ajudar aqui, e ela sabe - Disse a garota um pouco mais calma, mas ainda assim com certa preocupação na voz.
- E lá fora você tem a mim e a Emily. Amber, não se preocupe eu sou uma Perucci - Disse Catherine comendo pudim.
- Quem come pudim de manhã? - Perguntou Amber olhando para Catherine.
- Pessoas que gostam de pudim - Disse Catherine dando de ombros.
- Eu não estou preocupada comigo, muito menos com medo daquela bastarda imunda, eu só temo que ela possa usar vocês contra mim - Disse Amber tirando a concentração do pudim.
- Amb... Pare com isso, ela não vai conseguir, sabe por quê? Por que quando ela me levou para a câmara, ela mentiu pra mim, disse que você estava lá e que precisava de ajuda e que Daniel tentou impedir que te levassem e foi estuporado, dessa vez, nós sabemos do que ela é capaz, então estamos preparadas, certo? - Disse Emily.
- Já disse eu sou uma Perucci, e parem com esse assunto, pois meu Pudim está ficando chateado com tanta tolice ― Disse Catherine ainda comendo o Pudim.
- Certo... Mas uma coisa eu sei... Se ela... Se ela cruzar meu caminho eu a mato! - Disse Amber com um olhar psicopata.
- Eu sei! - Disse Catherine e Emily juntas.
- Bem, eu vou dar um volta. - Disse Amber.
- Aonde vai? - Perguntou Emily .
- Bem, preciso resolver um assunto... E depois vou passar na biblioteca, então... Tchau - Disse Amber saindo do grande salão.
Ao sair, a menina deu de cara com Draco.
- Amber! - Disse Draco sorrindo.
- Oi, Draco... Que sorte! Eu estava justamente indo atrás de você - Disse Amber.
- Algum problema?
- Er... Am... Não, é só que eu queria conversar com você... - Disse Amber - A sós! - Continuou ela olhando para Crabe e Goyle.
Antes que Draco dissesse algo os dois entenderam o recado e entraram no salão principal deixando os dois a sós.
- Então, o que você queria conversar?
- É... Bem... Sabe, é estranho... Bom, irei direto ao ponto, Draco quem a gente está tentando enganar? - Começou Amber calma.
- Amber, eu não estou entendendo, se for sobre ontem saiba que não aconteceu nada - Disse o garoto, e então Amber sorriu docemente.
- Não tem nada haver com ontem, eu confiaria a Emily minha vida.
- Ah, então eu não sou confiável?
- Claro que é... Você é um grande amigo... Às vezes...
- Amigo? - Perguntou Draco confuso.
- Sim! É isso que eu estou tentando te falar.
- Você está me dando o fora?
- Podemos continuar amigos?
- Você está me dando o fora? - Perguntou Draco novamente.
- Bem... Sim... Mas saiba que com meu último namorado eu não fui digamos sensível, por que eu não queria mesmo ser amiga dele, mas eu realmente quero ser sua amiga, entende? - Disse Amber meio incerta de que aquilo fosse dar certo.
- É... Eu acho que você tem razão... Então... Amigos! - Disse ele estendendo a mão para Amber que a apertou e por fim sorriu.
- Bem, tenho que ir... Tchau, Draco, a gente se vê! - Disse Amber andando pelo corredor enquanto pensava "Ótimo! estou livre... Agora quem eu escolho? Ah... Têm tantos... Como eu Amber Pavlichenko pude estar namorando? Isso não combina comigo! Mas agora estou livre!" Pensou Ela sorrindo e andando sem rumo e então sem perceber havia ido para em um local onde podia-se ver perfeitamente o salgueiro lutador.
Amber ficou ali por algum tempo observando a árvore, quando viu algo brilhando em baixo da árvore "O que é aquilo?" Perguntando ela mentalmente a si mesma "Lembro-me de terem me dito que se tocar no nó da arvore ela fica imóvel, bem, não custa tentar, quero ver o que tem lá" Pensava a garota sorrindo malignamente e assim a mesma pegou sua varinha e o fez. Quando chegou lá embaixo, não viu nada e então decidiu começar a andar até que quando menos esperou já estava na casa dos gritos quando.
- O que você pensa que está fazendo? ― Perguntou uma voz as costas da garota que logo a mesma reconheceu e virou-se bruscamente.
- Black! Você está maluco? Quer morrer, é? Como ousa quase me assustar dessa maneira? - Perguntou a garota evidentemente irritada.
- Ah! Então a princesinha se assustou? - Perguntou ele em tom de deboche.
- Você não me assustou! O que você pensa que está fazendo? É perigoso você vir até aqui... Estão te caçando, você se lembra? Seu acéfalo!
- Acéfalo? Fale direito comigo! Espere um momento... Você está preocupada comigo? - Perguntou Sirius surpreso.
- É... É... É claro que não! Não diga sandices! - Disse Amber evidentemente constrangida.
- Tá... Como quiser... E você não fique andando por aí sozinha, ainda mais agora que Julietta fugiu.
- Ah! - Exclamou Amber - Agora virou minha babá?
- Não, só estou te avisando!
- Não pedi que me avisasse... Eu sei que ela fugiu e não vejo a hora de encontrá-la - Disse Amber com um olhar psicopata começando a andar em direção à saída.
- Amber...
- O que?
- Tome cuidado...
Amber respirou fundo.
- Você também... Não venha mais aqui, é perigoso. - Disse a garota sem olhar para trás e pensando "O que deu em mim? Por que eu disse isso? Óh Merlin, estou ficando louca!".
Após sair da passagem que ficava em baixo do salgueiro lutador, Amber decidiu ir até a biblioteca ver se achava alguma coisa sobre o que Julietta havia lhe dito, mesmo tendo prometido a Emily que a ajudaria a achar a Starla, o que Julietta disse a estava atormentando mais do que nunca.
Amber pegou alguns livros de famílias antigas quando...
- Creio que o que procura não encontrará ai... - Disse uma voz ao seu lado e quando Amber virou-se viu Dumbledore.
- Mesmo assim não custa nada olhar, não é mesmo? - Disse Amber meio incerta.
- Sim, em parte você tem razão, mas creio que seria mais prudente você não mexer mais nessa história - Disse o diretor calmamente.
- Eu... Eu não vou desistir! Nem que eu tenha que ler todos os livros possíveis, já que sei que você não me dirá nada... - Disse Amber evidentemente determinada.
- Sim, você está certa, não irei lhe dizer nada.
- Só me responda... Por que... Por que escondem o meu sobre nome? E por que meus pais não o têm? Isso só me leva a uma conclusão.
- E qual seria?
- Que meus pais estão mentindo e tudo o que Julietta disse é verdade...
- De fato não posso afirmar essas suposições, no entanto não posso negar também. - Disse Dumbledore sorrindo bondosamente.
- Todos podem nunca querer me dizer por que tenho Slytherin no nome e por que você, meus pais e o ministério o escondem, mas saiba que eu irei descobrir nem que seja a última coisa que eu faça! - Disse Amber determinada e com os olhos brilhando de emoção.
- Amber... Essa sua determinação lembra-me muito alguém... Sabe... Admiro essa determinação ao mesmo tempo em que me assusta, Amber, só lhe peço que tome cuidado, pois não quero que saia machucada de tudo isso, e quero que preste bem a atenção nas suas escolhas, à pessoa que eu conheci que possuía tal determinação teve consequências terríveis. - Disse Dumbledore sério.
- Mas... Por que está me dizendo essas coisas? Você me odeia, não é mesmo? - Perguntou Amber espantada.
- Amber, desculpe-me, mas não me lembro de ter dito isto. - Disse Dumbledore sorrindo e se retirando do local.
"Qual é a desse velho? Primeiro me acusa injustamente depois meio que me ameaça com aquele papo de você tem que ficar do nosso lado, então ele faz uma visita a Sede da Ordem e coloca todos contar mim, ai então começa a me seguir e deixa-me fazer tudo o que quero... Sinceramente, eu não entendo esse velhote!" Pensava a menina bestificada.
Depois de algum tempo ali pensando, Amber decidiu que era melhor ir também antes que se metesse em encrenca (Não que ela ligasse) Mas quando a garota estava no corredor à menina ouviu:
- Dymon, não sei se é prudente conversarmos sobre isso nos corredores ― Disse Dumbledore.
- Mas... Eu estou preocupado, preciso falar com os meus pais, Emily, Amber e Catherine estão atrás de respostas sobre Starla e temo que elas descubram que aquela que Amber viu não era de fato Starla.
- Como eu disse antes, não é prudente conversar sobre isso nos corredores, temo por você que elas descobriram.
- O que? Como assim? ― Perguntou Dymon.
- Amber nos ouviu... Amber, por que não se junta a nós?
- Você não tem vergonha de esconder isso de Emily? Você sabe o que ela passou por terem escondido isso dela? Sim, eu também escondi coisas dela! Mas você? Você é irmão dela! Deveria apoia-la e defende-la, não esconder a verdade, muito menos tentar sabotar a busca dela pela verdade...
- Amber... Você não pode contar isto a ela ― Disse Dymon.
- Desculpe-me, Dymon, mas eu prometi a ela que não existiriam mais segredos entre nós.
- Amber...
- Um dia você irá entender... ― Disse Amber dando as costas ao garoto.
Comentários
Faça login para comentar

925 visualizações desde 31/12/1969